Mesas

Mesa 1
Carla
Mesa 3
Marcus
Mesa 8
Cris
Mesa 10
Victor Hugo
Mesa 11
Amanda
Mesa 12
Juliana
Mesa 14
Karina

sábado, 24 de dezembro de 2011

A um amigo secreto... ou desconhecido?!

Engraçado participar de um amigo secreto sem, de fato, conhecer este amigo. Por ora é um amigo desconhecido, mas também um amigo a conhecer. Por outro lado, faz-me refletir sobre a ilusão que costumamos carregar a respeito de nossos antigos amigos, a quem julgamos conhecer tão bem quanto a nós mesmos...

O que diferencia um antigo amigo de um novo? Possivelmente as memórias do (não) vivido e uma espécie de (des) conforto em um universo (des) conhecido. Sim, somos um universo de possibilidades e probabilidades, que podem nos enfadar com as desnecessárias repetições dia após dia ou nos surpreender com as mudanças que se processam quando assumimos nossa responsabilidade diante da tarefa incerta e inconclusa de nos tornarmos nós mesmos.

Em tempos que encerram ciclos, como os que estamos vivendo, acabamos deixando coisas para trás, quer seja porque de fato se encerraram ou porque já não nos servem mais, e vivemos a possibilidade de nos abrimos ao novo, ao harmônico movimento (se não atrapalharmos...) do universo; dos universos: interior e exterior. É tempo de revisar, libertar, esvaziar para, só então, poder desejar a renovação para os tempos que hão de chegar.

Por isso, deixo aqui ao meu amigo ainda secreto, um poema que possa lhe lembrar que, mais do que tentar descobrir qual é seu caminho certo a trilhar em 2012, o mais importante é seguir caminhando...

RUMO CERTO

Esta vida, uma aventura,
Este mundo, uma viagem,
Radicar-se, uma miragem,
Sem raiz, e não perdura.
Além de nós, nossa estrela
Para o alto nos empurra
Ai! não podemos perdê-la...

Nossa vida, um desafio
Nosso metro, a eternidade
Em boa fé e verdade
Eu no tempo não me fio.
No limite do horizonte
Se perde toda a vaidade,
Nosso tempo, apenas ponte.

Nosso limite, uma escada
Cujos degraus superamos
Na medida em que nos vamos
Além de toda a parada.
Essa lição aprendamos:
O roteiro, a caminhada...
Não nos prendamos a nada.

(Antônio Lázaro de Almeida Prado, em "Ciclo das chamas e outros poemas")

Caminha, caro amigo, com a certeza de que o sol sempre nasce e com ele também renascemos, desvelando na existência uma essência perene e pacífica.



Segue caminhando e bailando, Marcus!

Feliz Natal e um belíssimo 2012, ano novinho em folha para tu constuíres como quiseres!

Luciene Geiger

Um comentário:

  1. Muito obrigado Luciane. de coração. Que tenhas um 2012 de realizações =)

    Muito obrigado!!! adorei =)

    ResponderExcluir