Mesas

Mesa 1
Carla
Mesa 3
Marcus
Mesa 8
Cris
Mesa 10
Victor Hugo
Mesa 11
Amanda
Mesa 12
Juliana
Mesa 14
Karina

quarta-feira, 21 de março de 2012

.dias melhores, "verão".


Meu amigo, na vida as vezes precisamos perder para poder ganhar...

"Era uma vez, numa terra distante, um sábio chinês e seu discípulo...
Certo dia, em suas andanças, avistaram ao longe um casebre.
Ao aproximarem-se, notaram que, a despeito da extrema pobreza do lugar, a casinha era habitada.
Naquela área desolada, sem plantações nem árvores, viviam um homem, uma mulher, seus três filhos pequenos e uma vaquinha magra e cansada.
Com fome e sede, o sábio e o discípulo pediram abrigo por algumas horas. Foram bem recebidos.
A certa altura, enquanto se alimentava, o sábio perguntou:
- Este é um lugar pobre, longe de tudo, como vocês sobrevivem?
- O senhor vê aquela vaca? Dela tiramos o nosso sustento - disse o chefe da família. - Ela nos dá o leite, que bebemos e também transformamos em queijo e coalhada.
Quando sobra, vamos à cidade e trocamos o leite e o queijo por outros alimentos.
É assim que vivemos. O sábio agradeceu a hospitalidade e partiu. Nem bem fez a primeira curva da estrada, disse ao discípulo:
- Volte lá, pegue a vaquinha, leve-a ao precipício ali em frente e atire-a lá pra baixo.
O discípulo não acreditou.
- Não posso fazer isto mestre! Como pode ser tão ingrato?
A vaquinha é tudo o que eles têm. Se eu jogá-la no precipício, eles não terão como sobreviver. Sem a vaca, eles morrem!
O sábio, como convém aos sábios chineses, apenas respirou fundo e repetiu a ordem:
- Vá lá e empurre a vaca no precipício.Indignado porém resignado, o discípulo voltou ao casebre e, sorrateiramente, conduziu o animal até a beira do abismo e empurrou a vaca, previsivelmente, esfacelou-se lá embaixo.
Alguns anos se passaram e durante esse tempo o remorso nunca abandonou o discípulo. Num certo dia de primavera,moído pela culpa, abandonou o sábio e resolveu voltar àquele lugar.
Queria ver o que tinha acontecido com a família, ajudá-la, pedir desculpas, reparar seu erro de alguma maneira.
Ao fazer a curva da estrada, não acreditou no que seus olhos viram. No lugar do casebre desmazelado havia um sítio maravilhoso, com muitas árvores, piscina, carro importado na garagem, antena parabólica.
Perto da churrasqueira, estavam três adolescentes robustos, comemorando com os pais a conquista do primeiro milhão de dólares.
O coração do discípulo gelou. O que teria acontecido com a família?
Decerto, vencidos pela fome, foram obrigados a vender o terreno e ir embora.
Nesse momento, pensou o aprendiz, devem estar mendigando pela cidade.
Aproximou-se e perguntou a um homem que parecia ser o caseiro:
- Você sabe onde está a família que morava aqui em um casebre?:
- Claro que sei. Você está olhando para ela - disse o caseiro, apontando as pessoas ao redor da churrasqueira.
Incrédulo, o discípulo afastou o portão, deu alguns passos e, chegando perto da piscina, reconheceu o mesmo homem de antes, só que mais forte a altivo, a mulher mais feliz, as crianças, que haviam se tornado adolescentes saudáveis. Espantado, dirigiu-se ao homem e disse:
- Mas o que aconteceu?
Eu estive aqui com meu mestre uns anos atrás e este lugar era miserável, não havia nada.
O que o senhor fez para melhorar de vida em tão pouco tempo?
O homem olhou para o discípulo, sorriu e respondeu:
- Nós tínhamos uma vaquinha, de onde tirávamos nosso sustento.
Era tudo o que possuíamos, mas um dia ela caiu no precipício e morreu.
Para sobreviver, tivemos que fazer outras coisas, desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos.
E foi assim, buscando novas soluções, que hoje estamos muito melhores que antes".

(...)

Na década retrasada fizemos parte do MCC - Movimentos de Cursilhos de Cristandade da Igreja Católica, lá, por ironia, me tornei cético. Não acredito na palavra de Deus dita e escrita pelo homem. Duvido dos crentes... creio no Deus que me faz andar, no Deus que está dentro de mim, no Deus que me faz superar os obstáculos que encontro no caminho. 
Bueno, sem polêmicas... era só pra dizer que este proverbio escutei no MCC. Refleti... empurramos a vaquinha e viemos do Velho Oeste para a Capital =)

(...)

Mudar, virar a página, começar de novo... continuar o caminho ao lado de quem se ama e nos da forças.
A dor ensina a gemer, que ensina a crescer, que ensina viver.

(...)

Segue em frente, o mundo é teu.

11 comentários:

  1. Um defeito do ser humano é a impaciência, as vezes por não termos um pouco desta preciosidade perdemos oportunidades e passamos a reclamar da vida e pior começar um longo caminho novamente.

    ResponderExcluir
  2. Bah! E eu que não tenho uma vaca?

    :D

    Bom diaaaaaa!

    ResponderExcluir
  3. Feio, adorei o post!

    É isso mesmo! Eu concordo contigo! As vezes precisamos de algo para fazer com a gente 'saia do lugar'. As vezes não compreendemos as coisas que acontecem na vida, mas tudo tem um porquê.

    O melhor da vida é isso: estar sempre em movimento e buscando tudo aquilo que nos faz feliz!!!

    Vacas abaixo!

    ResponderExcluir
  4. Dica da semana, pessoal:

    Tudo se resolve com uma vaca! :D

    ResponderExcluir
  5. muito bom!! isso aeh!!
    vaca do precipício e quero-quero no telhado.. ahaha.. muito bom ermão!! forte abraço

    ResponderExcluir
  6. Está horrível aquele meu comentário "Vacas abaixo!", né?!

    Soa estranho, mas está correto. :/

    Aulinha de português (bem chata):

    Grafa-se “a baixo”, separado, em correlações com “de cima” ou “de alto”: “Olhou a moça de cima a baixo”; “Observou o candidato de alto a baixo”; “A cortina rasgou-se de cima a baixo”.

    Nos demais casos, escreve-se “abaixo”, junto: “O muro veio abaixo”; “A força das águas levou a canoa rio abaixo”...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não te apega a esses detalhes, doutora!

      Excluir
    2. :)

      'Vacas', que por ventura escrevam abaixo de mim, não estou me referindo a vcs! :D

      Excluir
  7. Perdemos aqui, para que ganhemos mais à frente!!
    Ótimo!!
    Abração!!!!

    ResponderExcluir
  8. Nunca consigo responder teus posts momentaneamente, pq me fazem pensar. Gostei muito do conto e concordo em 100% no sentido de que o que pode inicialmente parecer um problema, um drama, uma tragédia na nossa vida sempre acaba gerando uma mudança positiva de alguma forma, pra quem corre atrás, claro!

    ResponderExcluir
  9. Concordo com vocês!
    Entretanto a hora da queda da vaca é complicada, dói. A gente perde o chão, não sabe pra que lado correr, o que fazer.. ainda mais se tem mais gente dependendo da vaca além de você.

    Entendo que o mais importante nessas horas é não se desesperar e ficar atento. Cavalo encilhado só passa uma vez e precisamos estar preparados!

    ResponderExcluir