Mesas

Mesa 1
Carla
Mesa 3
Marcus
Mesa 8
Cris
Mesa 10
Victor Hugo
Mesa 11
Amanda
Mesa 12
Juliana
Mesa 14
Karina

domingo, 29 de setembro de 2013

. sobrenatural de almeida.



Não existe mágica no futebol e nem na vida. Existe trabalho.
Um dos motivos do Inter voltar a jogar em Caxias é porque acredita que Novo Hamburgo não deu sorte para o colorado.
Não tem essa coisa de sorte, o Inter não está bem por outros motivos. Não tem nada místico nessa história. Existem problemas de gestão e de treinamento do time e quem paga a conta é Novo Hamburgo.

Na vida é a mesma coisa, a gente fica esperando as coisas caírem do céu, esperando que coisas mágicas resolvam nossos problema e esquecemos de fazer a nossa parte, depois botamos a culpa no destino ou no azar.
Em vez de baixarmos a cabeça e focarmos num objetivo ficamos criando alternativas sobrenaturais e ilusórias para o nossa vida, seja no setor profissional ou no setor emocional.
Li na vida Simples do mês passado um matéria sobre a “alma gêmea”. Daí me dei conta, nós fizemos a pessoa ser a alma gêmea. Nosso trabalho diário de convivência é que faz acharmos a “alma gêmea”.
Preferimos acreditar em Karma, vidas passadas, energias similares, “opostos que se atraem” ... mas o que faz a gente encontrar o par certo somos nós mesmo.
Temos que assumir nossa vida sem esperar que o “Sobrenatural de Almeida” resolva todos os problemas, seja no futebol ou na vida!

>>>
Falei de superstição outro dia aqui...Mesa 9 no domingo, 21 de julho de 2013

>>>
A DUPLA:
GRE: 3 pontos na sacola jogando mal. Não sei o que acontece com o Renato e o Zé Roberto, só que o Grêmio está jogando pouco pra abrir mão do Zé. Copa do Brasil é o objetivo.
NAL: questão de tempo, o Dunga vai cair. 10 meses e o Inter não tem padrão de jogo, não tem um time titular. O chefe se perdeu e não sabe o que acontece.

>>>
Esse som pra minha "alma gêmea", Milena Lenz...




sábado, 28 de setembro de 2013

.amor confuso.




viviam um amor confuso
um amor, digamos assim, com fusos horários desajustados...

desajustados, 
os dois,
ele, distante
ela, senhora...

(des) conecte-se



Hoje acontece em Florianópolis um evento super legal, desses que eu já compartilhei uns videos aqui.
Pega a pipoca, o chimarrão e vem acompanhar ao vivo comigo http://www.tedxfloripa.com.br/2013

Sobre o TED
TED é uma organização sem fins lucrativos devotada a “Ideias Que Merecem Ser Espalhadas”. Surgiu em 1984 como uma conferência anual na Califórnia e já teve entre seus palestrantes Bill Clinton, Paul Simon, Bill Gates, Bono Vox, Al Gore, Michelle Obama e Philippe Starck. A Conferência TED anual acontece em Long Beach, Califórnia. Mais de 700 das palestras estão disponíveis gratuitamente no site TED.com e já foram acessadas por milhões de pessoas do mundo todo. A sigla TED significa Tecnologia, Entretenimento e Design. Os principais e primeiros campos criativos e de pesquisa que foram escolhidos para representar possíveis melhorias de futuro. Hoje a discussão cresceu para os mais diversos campos, como educação, ciências, negócios, artes e questões globais. O que está em jogo realmente é o poder de transformar e melhorar o futuro, não importando formações.

Sobre o TEDx
No espírito das ideias que merecem ser espalhadas, o TED criou o programa chamado TEDx. O TEDx é um programa de eventos locais, e organizados de forma independente, que reúne pessoas para dividir uma experiência ao estilo TED. Nos eventos TEDx, a combinação de palestras ao vivo, vídeos de TEDTalks e performances artísticas combinam para despertar conversas e conexões profundas. Os eventos TEDx são inteiramente planejados e coordenados de forma independente, baseados num espírito comunitário e sem fins lucrativos.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

.é... agora dance.

Deu. Chega. Prometo que não toco mais no assunto...


(...)



(...)

Você trabalha feito um burro de carga puxando um sistema podre que é bancado com o seu suor
E sexta-feira vai a igreja comungar com sua família a voz sagrada Jesus Cristo é o Senhor
Deixa parte do salário em retribuição a dádiva divina da palavra do pastor.
É melhor garantir um lugar no céu / Aqui nesse inferno tenta só sobreviver e o que salva é a cervejeira no fim de semana assistindo o jogo do seu time preferido na TV.
Segunda-feira o seu filho tá em casa porque a escola onde estuda não tem nem um professor.
E o professor esta na rua apanhando da policia tá cobrando seu salário do Governador. Enquanto isso numa casa confortável uma família abastada reunida assiste televisão e praguejando fala mal de quem esta na rua enfrentando e dando a cara pra lutar contra a situação!
Um fura fila que entrou na sua frente conseguiu ser atendido muito antes de você
E aquele cara que foi reclamar do caso chamaram de barraqueiro que não tinha o que fazer
A sogra dele há semanas na espera, vai pensando que já era, não consegue o leito em um hospital / E na favela aquela guerra continua traficante e policia no controle social!
QUEM É VOCÊ?

Tu fuma um Beck e é chamado de financiador por um senhor que toma uísque e bate na mulher
E nego enche a cara no fim de semana sai de carro dirigindo mata cinco e puxa o carro e sai de ré 
A gente gasta são 6 meses de salário dando tudo pro governo e não tem quase nada em troca
E o governo vai tomando e gastando a parte dele eles são o parafuso e você é a a porca
Já passou 500 anos dessa história e não mudou tanto assim desde a colonização
A diferença é que hoje o colonizador é aplaudido num programa de televisão
A gente acha que um dia como se por um milagre Deus no auge da bondade fosse interceder e enquanto esse diga não chega a gente vai aceitando e esperando alguma coisa acontecer

QUEM É VOCÊ?
O teu avô que trabalhou a vida inteira dia e noite noite e dia até se aposentar recebe agora uma miséria de salário fica 10 horas na fila esperando e não pode reclamar
Mas as crianças vão crescer e o futuro do Brasil por algum dia deverá ser bem melhor!
Só que o problema é que as crianças tão crescendo com seus pais longe de casa e mais ninguém a seu redor!
Eu não queria te dizer mas vou ter que falar tu é esperto mas tá sendo passado pra trás
Pode ser que quando tu percebas isso lá na frente já seja tarde demais
Agora dance! Agora dance / Mão na cabeça, mão no joelho / Fica de quatro, não pode parar / Agora dance / Dance / Mãozinha prum lado bundinha pro outro se finge de morto mas não pare de dançar!mas não pare de dançar!"
(...)
Há braços!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

.em busca de novos significados.




Amar: verbo conjugado, jurado, sussurrado e suado. 
Assim, com todos esses particípios (e alguns precipícios)
participando da nossa vida - e da nossa cama.
Calma, que em todos os tempos, e em todos os modos,
a gente há de encontrar, com dois sujeitos, o nosso mais-que-perfeito.


Rafael Garcia de Oliveira
* Professor de Redação do Colégio João XXIII.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

.a vida é feita de escolhas.

Há uma nova campanha publicitária circulando na mídia que traz como reflexão que 'a vida é feita de escolhas'. Simples, direto e tão profundo. Quanta coisa embutida numa só frase! Quanta vida em cada escolha!

Lembrei de um post aqui do pub sobre esse assunto e que cabe para esse momento:

A cultura em que nascemos e que somos criados certamente influencia a nossa maneira de ver o mundo. No entanto, ela não é determinante daquilo que somos ou poderemos vir a ser. Sabe aquela história de que 'eu sou assim, porque esse foi o meio em que eu vivi'? Esqueça! Você é do jeito que é, porque você decidiu ser do jeito que é! Você chegou exatamente aonde você está, porque você decidiu seguir por esse caminho e não por outro!

Está na hora de pararmos de transferir a responsabilidade dos nossos atos para outras pessoas ou contextos. Está na hora de assumirmos nossas escolhas e refletirmos sobre os caminhos que decidimos trilhar. As pessoas fazem escolhas e isso é o fator determinante.

Se as circunstâncias formam os indivíduos, esses também criam as circunstâncias. As decisões que as pessoas tomam as conduzem a diferentes direções na vida. Seja qual for a direção seguida sempre será resultado das decisões.

Mude o caminho, se preferir usar outras rotas. Busque oportunidades. Crie oportunidades. Defina caminhos a serem trilhados. Mude tudo ou não mude nada. Mas, por favor, não esqueça: a vida que escolhemos ter é de nossa inteira responsabilidade. Nossa, só nossa!


domingo, 22 de setembro de 2013

.convicção x teimosia.


Segunda o Vicente não quis ir pra escola porque estava com “sono”, então foi deitar e ficou no quarto 1 hora e meia no escuro e acordado. Depois abriu a porta e disse: - Já dormi bastante!
Pra não dar o braço a torcer ficou lá... A teimosia está na genética dele e o bichinho com menos de 4 anos já demonstra isso.

Daí me lembrei...

A diferença entre convicção e teimosia é o resultado. Se a pessoa tranca o pé numa posição e dá certo, é convicta! Se dá errado, é teimosa!
Isso é o que acontece com os treinadores de futebol, o Felipão em 2002, se o Brasil perde a copa o treinador é teimoso porque não levou o Romário. Como ganhou, é convicto das suas escolhas.
Hoje o Dunga é teimoso, pois está perdendo e o Renato era mais convicto do que é agora.
O resultado determina o que é certo ou errado no futebol, na vida infelizmente também é assim, pois estamos muito preocupados com a opinião dos outros. Ou ficamos muito preocupados com as conquistas e derrotas dos outros. Como escrevi aqui semana passada, “a vida não é um jogo”. Os nossos resultados somos nós que decidimos, temos que ter convicção sobre as nossas coisas.

>>>

A DUPLA:
GRE: acho que desistiu do Brasileirão e vai focar na Copa do Brasil, tomara! Já tivemos melhor.
NAL: A impressão que desistiu de 2013. Não tem casa então o que acontecer acontece. Acho que não sabem o que acontece, nem a direção, nem o treinador, nem os jogadores. Vamos ver se o Dunga aguenta a pressão! Será que ele passa a semana?

>>>

O Rappa,

"... meu jogo de cintura se manifestou de outro jeito..."

sábado, 21 de setembro de 2013

.insônia.

insônia até que é uma “coisa” que muito pouco habitou o meu mundo
quase não me lembro de ter passado noites insones
acho que sou o que, popularmente se chama, um cara bom de cama, deito e durmo, na hora...


mas tem uma canção que, desde que a ouvi pela primeira vez, meio que faz parte de mim

escuto, volta e meia escuto de novo, escuto, escuto, escuto...

canto, canto quando to sozinho em casa (é uma das poucas que consigo, mais ou menos, tocar no violão)... canto quando to na noite, feliz, tocando violão e cantando (não nos palcos, quanto to “trabalhando” com música)

canto quando passo noites acordado, não insone, mas feliz, em meio à música...


é uma canção do Kleiton Ramil, gravada no primeiro LP (sim, LP...) da dupla Kleiton e Kledir

daquelas faixas que ficam perdidas nos discos, que não se tornam sucesso (eu até diria, daquelas que só mesmo ouvidos não óbvios conseguem alcançar, sei lá...)


já me peguei perguntando porque, afinal, eu, que não sou um cara insone, gosto tanto desta música (só pode ser pelo último verso, tenho certeza...)


bom, eu a deixo aqui
pra vocês
pras suas noites insones
ou pras suas lembranças do que passou...


quinta-feira, 19 de setembro de 2013

.o que você vê no horizonte? eu vejo mudanças.


Muito já se falou aqui pelo Vezenquando sobre mudanças, busca de sonhos, iniciativa, etc. Isso é muito bom e realmente existem momentos em que precisamos sair da zona de conforto... arriscar um pouquinho pra ver o que acontece.

Acredito em tudo isso. Mas também acredito no poder de acomodação do ser humano. Percebo que as pessoas se acostumam com a rotina e se acomodam.. mesmo que ela não seja 100% satisfatória.
Confesso: sempre fui assim. Sou daqueles que ficam vários anos no mesmo emprego, na mesma moradia, com a mesma esposa (hehehe), com os mesmos amigos, etc.

Este ano tive uma perda muito grande, que abalou minhas estruturas. Fui obrigado a fazer mudanças.
Mas agora que a poeira começa a baixar.. que as coisas estão se resolvendo, se acomodando.. estou pensando seriamente em fazer mais mudanças. Desta vez escolhidas por mim, não impostas por terceiros ou por situações externas. Será que vai dar certo? Não sei, mas tô afim de arriscar.

Daí essa semana, pra completar o clima, vejo o vídeo abaixo:


(Para quem não conhece, a Ikea é uma loja de móveis que sempre produz campanhas bem bacanas.)

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

O dia em que tirei a roupa de mulher-maravilha e coloquei no varal

Saudações meus queridos!
Hoje eu quero falar sobre o fabuloso universo da Marvel.
Quem nunca se colocou nas aventuras criadas para os personagens do Super-Homem, Mulher-Maravilha, Homem-Aranha, Mulher-Gata entre tantos outros?
Não sei que tipo de associação fazemos para  sentenciar ser possível adquirirmos suas identidades na vida real. Sim, porque às vezes, para não dizer DIARIAMENTE, fazemos coisas que até Batman duvidaria ser possível.
Puxando a brasa para o meu gênero, por exemplo, ser boa mãe, excelente profissional, dedicada educadora sempre em busca de mais conhecimento, sedutora esposa e ágil dona de casa requer muitos poderes!
E não é que chegou o dia em que coloquei meu uniforme de Mulher-Maravilha para lavar, estendi no varal e me vi sem meus super poderes! PARA TUDO. Eu sou uma simples mortal. Como assim?
É, não é fácil se sentir frágil. E para deixar essa mesa mais leve, vou rir um pouco do meu momento.
Sabem o que descobri?
Que ELES,os super-heróis, também fazem coisas comuns. Exatamente como nós, simples mortais.

.quando se aprende a amar, o mundo passa a ser seu.


“Então me diga que nunca imaginou/A gente ser feliz num dia de amor”

(...)
DA PORTEIRA PRA DENTRO

Meu coração a galope mais rápido que o pensamento
Quando penso no meu amor que deixei a poucos momentos
Que ficou quando parti, deixei da porteira pra dentro.

Não quero falar de tristeza, nem tão pouco de partida.
Pois é da porteira pra dentro que começa a minha vida
Pois é da porteira pra dentro que começa a minha vida

A porteira é o meu coração e dentro só tem você
Que se abre de alegria no momento em que te vê.
Que se abre de alegria no momento em que te vê.





Da Porteira Pra Dentro... música do meu irmão, Cesar Santos e letra da minha mãe, Olga.

A minha mãe tem uma facilidade incrível para escrever seus versos. O Cesar, por sua vez, herdou o talento musical. Queria ter 1/3 do talento nato de cada um deles... Cabe a mim me contentar com meus rabiscos...

 
(...)

                                                            Todas as vezes que eu olho nos teus olhos
                                                            Todas as vezes que eu lembro o teu sorriso
                                                            Todas as vezes que eu te vejo, eu desejo...
                                                            Não acordar mais... não acordar mais.

                                                            Todas as vezes que acordo está comigo
                                                            Todas as vezes que imagino o teu rosto
                                                            Todas as vezes que te beijo, eu desejo...
                                                            Não acordar mais... não acordar mais.

                                                            Todas as vezes que eu tento e não consigo
                                                            Todas as vezes que me responde em silêncio
                                                            Todas as vezes que te escrevo, eu desejo...
                                                            Não acordar mais... não acordar mais.
                                                                                                                                                               (Marcus de Carvalho)
 
(...)
 
"O inverno querendo se despedir e eu que já havia dado tchau."
 
 
 
Há braços!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

.fluir.

Semana iniciando oficialmente hoje e eu resolvi dividir com vocês a dica de um livro (já que me pediram e eu adooorooo). :-)

Esse livro eu li há uns dois anos, tem como título Fluir (flow): Una Psicologia de La Felicidad, escrito por Mihaly Csikszentmihalyi.

Como já disse aqui, em alguns momentos, a maioria das pessoas diz que a relação que temos que ter com os livros é de desapego, é de ler e passar o livro adiante, para outros aproveitarem a leitura. Mas eu fujo à regra, eu sou, então, a exceção. Os meus livros são tesouros para mim. Eu dificilmente os empresto! Sempre os revisito, os releio.

Mas com o Fluir foi diferente...

Certa vez, uma pessoa muito especial me pediu uma dica de leitura para uma situação específica e indiquei esse livro. Pela primeira vez senti vontade de não só emprestar, mas dar o livro de presente. E ele se foi! Foi para um lugar onde seria apreciado e guardado com muito carinho, eu acredito. Foi com todo o meu desapego e com o meu carinho em poder proporcionar uma leitura muito especial a quem eu tanto admirava.

Foi, mas deixou este entendimento:

A todo momento é necessário refletirmos a respeito da fragmentação que vivemos em todas as esferas da vida humana. Estamos, cada vez mais indefesos, inseguros e isolados uns dos outros e, principalmente, isolados de nós mesmos. Nossa visão materialista da vida nos estimula a nos centrarmos em bens materiais e esquecermos, cada vez mais, do nosso 'eu'.

Vivemos uma rotina diária exaustiva. Agimos sem refletir sobre nossas ações. Não dá tempo para refletir! Corremos contra o relógio. Estamos perdendo a oportunidade de dar significado ao que vivemos, de encontrar recompensas aos acontecimentos de cada momento, de cada experiência.

O livro aborda que as pessoas que sabem controlar a sua experiência interna são capazes de determinar a qualidade de suas vidas. A felicidade não é determinada pela aquisição de bens materiais, é uma condição vital que cada pessoa deve preparar, cultivar e defender individualmente.

Fica a dica! Boa semana! ;-)

domingo, 15 de setembro de 2013

.a vida não é um jogo.


Jogo é jogo,
o esportista tem que ganhar dos adversários não importando se é melhor ou não, apenas a vitória importa.
Vida é vida,
temos que fazer o melhor sem importar se é mais ou menos do que as outras pessoas.
Essa é a sutileza...

Se a gente encarar a vida como um jogo, vamos competir pela vitória sem entender o que é bom ou ruim, sem saber o que é realmente importante, pelo menos pra mim.
Sou contra a competição nas coisas da vida, competição é para as quatro linhas, creio que o mundo competitivo é ruim para as pessoas.
Comparações são daninhas para auto-estima, competir com os amigos e amigas, companheiros e companheiras não acrescenta nada na vida de ninguém.
Temos que ter nossa ambição e nosso sentido de fazer o melhor sem se preocupar com as opiniões nem com as conquistas ou derrotas dos outros.
É a mesma coisa que fazer algo errado só porque todo mundo faz.
Então, competimos nos esportes e fazemos o melhor na vida.

O que os outros pensam ou fazem realmente não importa.

>>>
A DUPLA:
GRE: o Grêmio, eu acho que saiu da disputa do título, se é que esteve em algum momento. A Copa do Brasil pode ser uma boa saída para salvar o ano.
NAL: O Dunga está refém dos resultados, ou faz uma série de bons resultados ou será demitido. A Copa do Brasil também é uma boa alternativa para salvar o trabalho do Dunga.

>>>
Mestre Djavan sempre me diz tudo...

"Não vá levar tudo tão a sério
Sentindo que dá, deixa correr
Se souber confiar no seu critério
Nada a temer
Não vá levar tudo tão na boa
Brigue para obter o melhor
Se errar por amor Deus abençoa
Seja você..." 


.antes que seja tarde.

Então, aqui estou...

Esta postagem dá início a um novo momento da minha vida. Um novo lado meu.  Hoje, agora, nestas linhas, neste lugar, a minha estreia como colunista de um blog.  De leitor a colunista, do nosso vezenquandopub.

Pensei, pensei, pensei... Pensei em como fazer um texto de apresentação.
Quer saber, não consegui.
O rumo das minhas publicações é que vai dizer a vocês um pouco do que sou, do que fui, do que estou (ainda) a caminho de ser...

Por enquanto, eu começo, digamos assim, cantando...
E, acreditem, a canção que escolhi não foi por acaso.
Haveria muitas. Foi essa.
A letra me diz muito, muito mesmo.

É de autoria do poeta Sergio Napp e foi musicada por Mário Barbará. Está num CD, intitulado “Vivências”. O arranjo que vocês ouvirão aqui é de um cara fundamental na música popular brasileira, de quem tenho muita saudade, de quem tenho muito orgulho em ter sido amigo e irmão de arte pelos palcos da vida, Geraldo Flach. Na percussão, o também irmão de arte, Fernando do Ó.

Deixo-vos a minha voz.
Deixo-vos um pouco de mim.
Deixo-vos abraços e beijos.

Eu estarei aqui, vezenquando...


quarta-feira, 11 de setembro de 2013

.planos & improvisos.

 
Engraçado, nas últimas conversas das mesas 1 e 9 falamos sobre tempo... refleti...tenho sentido falta desse cara. A mesa 3, na minha cabeça, está sempre posta. Tenho todos os textos prontos... só faltam ser escritos.

(...)
 
Passo a metade da vida fazendo planos e a outra metade improvisando. Às vezes o improviso não sai conforme o planejado, às vezes o que foi planejado, não permite improviso.
 
Adianta fazer planos? A vida não seria melhor se improvisássemos a todo instante?
 
Planejar toma tempo, executar um plano toma tempo, atingir o objetivo “custa” tempo. Tudo bem, eu sei, eu sei... citando Fernando Pessoa: “Planejar” é preciso, viver não é preciso.
 
Há braços!

 

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

.próprio tempo.



A dica da semana é pensar sobre o próprio tempo, ouvindo a música “Oração ao Tempo” do Caetano Veloso.

Certamente cada qual com sua história pensará em coisas diferentes, mas, todos com a mesma intenção: refletir sobre o que /fizemos/fazemos/faremos com o nosso próprio tempo.



Quantos pedidos fazemos ao tempo? 
Quantos caminhos percorridos com o tempo? 
Por ser contínuo, por vezes infinito, o tempo é subjetivo 
ao passo de ser implacável em qualquer situação.



[...]
Vou te fazer um pedido
Compositor de destinos
Entro num acordo contigo
Por seres tão inventivo
E pareceres contínuo
Ouve bem o que te digo
Peço-te o prazer legítimo
E o movimento preciso
Quando o tempo for propício
De modo que o meu espírito
Ganhe um brilho definido
E eu espalhe benefícios
[...]






domingo, 8 de setembro de 2013

.fazer o que gosta ou gostar do que faz.


Tenho tido dificuldades com o tempo por causa do meu trabalho. Mas meu trabalho é exatamente em que eu quis trabalhar. Desde que larguei um emprego normal que me pagava bem, lutei pra fazer o que eu faço. Trabalhar com música e áudio é o que eu gosto, mas perder noites, feriados e fim de semana eu não gosto.


>>>
Jogadores de futebol ganham milhares de reais pra jogar bola, teoricamente o que gostam. Mas a vida útil de um boleiro é em média de 15 anos e nesses 15 anos não existe mundo fora das quatro linhas.

>>>
Transformar o hobby em ofício é prazeroso, mas pode não ser satisfatório. Fazer música pra dar vazão às coisas que eu penso é uma coisa, ser pressionado a criar uma melodia em 1 dias é diferente.
Jogar bola no fim de semana com os amigos é bacana, ter que entrar em campo pra jogar contra o Salgueiro/PE é outra...

>>>
Acho que devemos gostar do que fazemos, seja o que for. 
O ganha pão tem que ser justo, não dá pra sentir que somos explorados, só que quando a gente faz o que gosta somos inevitavelmente explorados, pois não é trabalho é diversão.

>>>
Primeiro turno do Brasileirão terminou, acho que está entre Cruzeiro, Corinthians, Atletico/PR e Grêmio.

>>>
A DUPLA:
GRE: Renato tem um time que deve melhorar, estamos muito bem.

NAL: O Dunga deu o braço a torcer, mudou o time e melhorou. Até quando ninguém sabe.

>>>
Paralamas eu gosto:




quarta-feira, 4 de setembro de 2013

.pra ti.

Sentir, sem saber ao certo o que diz o coração
Sem viver de fato esse grande amor...
Sem te ver, impossível não chorar.
Só depois que os sinos tocam eu vou despertar
Desse sono profundo que é meu viver,
Por viver a te amar.
 
Aprendi, que o tempo seca as feridas
Que permanecem vivas as cicatrizes...
Que ao te ver, é impossível não sorrir.
Nem depois que o mundo acabe eu vou acalmar
Essa vida louca que é meu viver,
Por vivar a te amar.
 
Renascer, ressurgir das cinzas, aprender a voar
Ressurgir em sonhos, não mais despertar...
Ressurgir apenas para o teu amor.
E depois que a linha do tempo eternizar
Essa vontade louca que é meu viver
Vou viver a te amar.
(Marcus de Carvalho)



Há braço!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

.o calendário emocional.



Volta e meia ando repetindo por aí que nasci no Rio Grande errado. Era para ter sido no do Norte e eu fui 'cair' justo no do Sul. Frio, chuva, umidade... são coisas que realmente me tiram o ânimo.

Nem aquelas coisas ditas boas, características do inverno, como uma lareira, um bom vinho, um fondue... nada disso me entusiasma. Realmente acho que eu sou bem mais feliz no verão. Sol, praia, calor... tudo isso tem um significado bem maior para mim... é um outro astral!

E daí, de repente, eis que surge uma pesquisa para 
embasar cientificamente os meus pensamentos e comportamentos. :-)





O CALENDÁRIO EMOCIONAL:
como compreender as influências das estações e as etapas emocionais para ser mais feliz, sentir-se realizado e controlar sua vida.



O autor, John R. Sharp, um psiquiatra de Harvard, apresenta como nossas emoções estão profundamente ligadas à mudança das estações e aponta de que forma reconhecer como isso nos afeta. 

Ao longo de duas décadas de prática psiquiátrica, ele tem trabalhado com muitas pessoas que tiveram as mesmas angústias emocionais em momentos específicos do ano: como meninas adolescentes com depressão quando chega o inverno, homens de meia-idade que sofrem de ansiedade quando se aproxima o verão, pessoas que tomam decisões radicais na primavera... 

No livro O Calendário Emocional, o autor revela como as mudanças ambientais nos afetam psicologicamente de uma forma muito profunda. A partir desse reconhecimento do que e de que forma nos afeta, é possível estabelecer estratégias a fim de lidar de uma forma diferente e resolver as crises antes mesmo delas aparecerem.

Destaquei alguns trechos, que acredito que sejam interessantes, sobre o inverno e o verão, onde o médico aponta, que, apesar de muitas pessoas - sentirem-se 'muito bem, obrigada' -, no inverno, por exemplo, o percentual de pessoas que apresentam problema decorrentes dessa estação é grande. 

Alguns estudos têm demonstrado que a diminuição da luz solar no inverno dificulta que o corpo mantenha suficiente energia para manter as defesas num certo nível e isso põe em risco as funções autoimunes. Também variam nossos níveis hormonais durante o inverno, os quais, talvez, afete a nossa conduta sexual. Algumas pessoas se sentem sexualmente desequilibradas durante o inverno. Outras têm uma diminuição da libido e algumas pessoas apresentam altos e baixos mais acentuados do que em outros períodos do ano.

Em relação ao verão, o psiquiatra aponta que essa é uma estação, em geral, muito carregada de uma carga emocional e que traz, intrinsecamente, recordações da infância. É um período cheio de expectativas de como devemos se sentir e se comportar, repleto de imagens e mitos sobre um tempo sem preocupações, de romances ao sol e de felicidade inocente. O verão traz consigo uma sensação de ser uma época de alegria e liberdade absoluta.

Os dias e as épocas do ano mais importantes de nosso próprio calendário emocional não se alinham necessariamente com as datas e temporadas do calendário oficial, tais como festividades e as fases naturais do sol e da lua. Esses pontos críticos e desalinhados podem produzir ansiedade, confusão e nos causar alguns danos.

Quais são os motivos que marcam nossos calendários emocionais? As datas mais complicadas e intensas são aquelas que estão vinculadas aos aspectos emocionais. Todas elas, de algum modo, tem a ver com nossas recordações. São associações gerais com épocas passadas ou recordações de acontecimentos específicos e sua relação com a temporada do ano em que aconteceu.

Que tenhamos um calendário emocional não representa nenhum problema. O importante é que sejamos conscientes de nosso próprio calendário e que saibamos que a influência negativa desses períodos conflitivos pode melhorar e que, com cuidado e atenção, podemos aprender a viver os dias, semanas e anos com um sentimento maior de positividade e aceitação das estações.

Fica a dica de leitura! Boa semana! :)

domingo, 1 de setembro de 2013

.tempo, tempo mano velho.

Sem tempo pra pensar direito, me dou conta da importância que os segundos têm. Tempo é ouro, seja pra fazermos as coisas, para maturar as ideias ou para curar as feridas. Tempo no futebol e na vida é fundamental, tempo é paciência, tempo faz as coisas irem pro lugar.

>>>
Renato precisou de tempo para arrumar o Grêmio e o tempo está acabando com o trabalho do Dunga.

>>>
Então, aproveitemos o tempo que resta... já que é relativo!

>>>



.no palco VIP, Victor Hugo.



E neste domingo maravilhoso sobe ao palco VIPTOR o nosso ilustre vezenquandista [ cantor, radialista, jornalista, professor, especialista em História, Comunicação e Memória, ex-secretário da cultura do RS... - essa lista vai longe! ] 

Victor Hugo!



Com vocês...
VIPtor Hugo!






.tem horas.