Mesas

Mesa 1
Carla
Mesa 3
Marcus
Mesa 8
Cris
Mesa 10
Victor Hugo
Mesa 11
Amanda
Mesa 12
Juliana
Mesa 14
Karina

segunda-feira, 21 de abril de 2014

.cuidemos deste agora.

.
.
.

.
.
.
Pessoas vão embora de todas as formas: vão embora da nossa vida, do nosso coração, do nosso abraço, da nossa amizade, da nossa admiração, do nosso país. E, muitas a quem dedicamos um profundo amor, morrem. E continuam imortais dentro da gente. A vida segue: doendo, rasgando, enchendo de saudade... Depois nos dá aceitação, ameniza a falta trazendo apenas a lembrança que não machuca mais: uma frase engraçada, uma filosofia de vida, um jeito tão característico, aquela peculiaridade da pessoa.

Mas pessoas vão embora. As coisas acabam. Relações se esvaem, paixonites escorrem pelo ralo, adeuses começam a fazer sentido. E se a gente sente com estas idas e também vindas, é porque estamos vivos.

Cuidemos deste agora. Muitos já se foram para nos ensinar que a vida é só um bocado de momento que pode durar cem anos ou cinco minutos. E não importa quanto tempo você teve para amar alguém, mas o amor que você investiu durante aquele tempo. 


Marla de Queiroz

[ saiu daqui ]

segunda-feira, 14 de abril de 2014

.te desejo.

"Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga "Isso é meu",
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar."

[ Victor Hugo ]

quarta-feira, 9 de abril de 2014

.doe sangue. .salve vidas.


Sexta feira em Bagé recebi um e-mail com a solicitação de doadores de sangue tipo A. bem o meu “número”... assim que cheguei a capital fui em direção ao serviço de hemoterapia. Cheguei lá e apresentei o meu tipo sanguíneo, o mesmo tipo que a pessoa internada estava precisando, fiz o teste para saber se eu poderia se doador de plaquetas(?) e para a minha surpresa e desinformação, não apresento veias de calibre adequado para doação de plaquetas!

(...)

Quero alertar o quanto é importante e necessário que existam mais e mais doadores... claro, o sangue que eu doei serviu para o receptor, mas se minhas veias fossem do calibre adequado, eu teria ajudado ainda mais essa pessoa.

(...)

Podemos fazer mais! Podemos salvar vidas! Podemos vir a precisar de alguém para nos salvar...
 

(...)


 
Condições básicas para doar sangue
* Sentir-se bem, com saúde;
* Apresentar documento com foto, válido em todo território nacional;
* Ter entre 18 e 65 anos de idade;
* Ter peso acima de 50Kg;
* Os intervalos para doação são de 60 dias para homens e de 90 dias para mulheres.
Recomendações para o dia da doação
* Nunca vá doar sangue em jejum;
* Faça um repouso mínimo de 6 horas na noite anterior a doação;
* Não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores;
* Evitar fumar por pelo menos 2 horas antes da doação;
* Evitar alimentos gordurosos nas 3 horas antecedentes a doação;
Quem não pode doar
* Quem tem anemia;
* Quem teve diagnóstico de hepatite após os 10 anos de idade;
* Mulheres grávidas ou amamentando;
* Pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue como AIDS, hepatite, sífilis e doença de chagas;
* Usuários de drogas;
* Aqueles que tiveram relação sexual com parceiro desconhecido ou eventual, sem uso de preservativos.
 
Onde doar em Porto Alegre

Banco de Sangue do Hospital Mãe de Deus
Rua José de Alencar, 286 - 3° Andar
(51) 3230-2309 - (51) 3230-2000

Banco de Sangue da Santa Casa
Rua Professor Annes Dias, 295
(51) 3214-8025 - (51) 3214-8585

Banco de Sangue Hospital Moinhos de Vento
Rua Ramiro Barcelos, 910
(51) 3314-3860

Banco de Sangue do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Rua São Manoel, 543 - 2° Andar
(51) 3359-8504

Banco de Sangue do Hospital de Pronto Socorro - HPS
Largo Teodoro Herzl, Térreo
(51) 3289-7656 - (51) 3289-7657

Banco de Sangue do Hospital Nossa Senhora da Conceição
Avenida Francisco Trein, 596 - 2° Andar
(51) 3357-2139

Hemocentro do Estado do Rio Grande do Sul (HEMORGS)
Avenida Bento Gonçalves, 3722
(51) 3336-6755

Laboratório Marques Pereira
Rua Vasco da Gama, 84
(51) 3311-0016
(...)
 
 
Há braço!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

.abra sua agenda aos imprevistos.

Um amigo cego meu pensa muitas vezes em seu interior, quando vai dormir: “Talvez, quando eu levantar amanhã, eu possa enxergar”. Até hoje, ele continua cego. Mas este sonho não se apaga em seu coração.

Como seria bom se todos nós sonhássemos sempre o mesmo! Querer acordar e ver tudo com clareza, porque não enxergamos tão bem quanto gostaríamos. A fé, no que parece impossível, continua viva quando cuidamos da chama do coração.

Alguém disse: “Se, por algum instante, Deus me desse um pedaço de vida, eu aproveitaria esse tempo o máximo possível. Daria valor às coisas, não pelo que valem, mas pelo que significam. Dormiria pouco, sonharia mais, porque entendo que, em cada minuto em que fechamos os olhos, perdemos sessenta segundos de luz. Eu andaria enquanto os outros se detêm, despertaria enquanto os outros dormem”. É o desejo de viver avida plenamente, sem sombras, sem escuridão. Uma vida com sentido e cheia de luz.

Um dia desses, uma pessoa comentava quão importante é viver aceitando que muitas coisas acontecem de repente. É verdade. Os milagres ocorrem quando não os esperamos. Vamos por um caminho, acreditamos que o correto é o que estamos fazendo, e de repente acontece algo que muda tudo.

Uma morte, uma doença, um imprevisto. Um acidente, um acontecimento alegre, uma surpresa inesperada. Um sorriso, um “te amo” que muda tudo, um abraço que nos rompe por dentro. Uma palavra de carinho ou de desprezo que nos comove. Um “adeus”, um “até logo”. Um silêncio que nos faz compreender. Uma viagem, uma resposta não pedida, uma pergunta lançada ao ar. Um “olá”, um “nunca é tarde”.

Às vezes, temos a agenda tão cheia, tão marcada, que suprimimos os possíveis “de repente” da nossa vida, tentando evitar que eles compliquem a nossa existência. Nós os evitamos, os censuramos, os escondemos. Não queremos que nada aconteça “de repente”.

Queremos estar tranquilos, com tudo sob controle. Mas isso não é possível. As coisas continuarão acontecendo em nossa vida quando menos esperarmos.

Se fôssemos mais flexíveis, esses “de repente” não seriam tão incômodos. Nós nos adaptaríamos facilmente às mudanças e as veríamos como novos caminhos que Deus abre para nós. Se colocássemos nossa agenda nas mãos de Deus, talvez as mudanças não nos complicariam tanto a vida.

Para isso, temos de desenvolver um dom especial, essa capacidade de descobrir Deus em tudo, essa ingenuidade das crianças que sabem aproveitar a vida no presente, aqui e agora. Sem olhar o passado com nostalgia ou culpa. Sem esperar o futuro com medo e desconfiança.

Esses “de repente” podem transformar nossa vida para sempre.

Pe. Carlos Padilla
Saiu daqui.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

.odeio despedidas.




Chuvas de cristais iluminam o céu naquela direção
Ventos, temporais... me ajudam a sair da solidão
(...)
 

 


 
(...)
 
Há braços!